quinta-feira, janeiro 24, 2008

* Na Caverna



Quando percebi que estava numa caverna escura, pensei que fosse tarde demais. Tentei tatear a saída, mas para que lado era a saída? Bati com a cara nas pedras, cai no chão. Tudo ficou ainda mais obnubilado. Desorientado, procurei ir à direção onde era possível respirar melhor; mas me faltava o ar. Não era possível ver nada, e perdi todo o senso de direção. Então, resolvi me entregar à sorte, e adentrei, o mais profundo que pude, na caverna. Às vezes não era possível respirar o ar sufocante, mas continuei, seguindo em frente, sem ver nada, na escuridão abissal. Tão escuro era, que ao fechar os olhos via uma luz, que não existia, e abria-os, sem notar que era quase um sonho. Mas, o pesadelo, as trevas, se grudou em mim. E passei a enxergar, mesmo no escuro, mesmo sem ver nada, passei a ver o que eu queria. Foi quando, tal qual uma revolução, a noite se fez dia. E com tudo clareado, voltei desesperado, para onde tudo era nublado.


11 comentários:

ka disse...

Adorei esse texto Jan.
Adorei o estar de olhos fechados e enxergar, e dpois voltar a turbulencia.
Mt interessante.
Sempre retiro algo do que vc escreve pra minha vida.
Bjus saudades.

Vírgula Antenada disse...

Nossa, que lindo! "Onde era nublado".
Ás vezes a inércia é pior que as trevas. Vc escreve muito bem!
Posso voltar? Rs.
Beijos.

Rodrigo disse...

Por isso, acho os dias de sol mais agradáveis...rs

Emilene disse...

Nossa vc escreve muito bem.. interessante o seu texto.

" E passei a enxergar, mesmo no escuro, mesmo sem ver nada, passei a ver o que eu queria."As vezes isso é que é importante, ver oque vc quer ver...

Parabens pelo texto..

Everaldo Ygor disse...

Olá...
Você já leu o Mito da Caverna de Platão?
Sair da escuridão, encontrar caminhos nebulosos... Cavernas do subconsciente, da criação...
Abraços
Everaldo Ygor
http://outrasandancas.blogspot.com/

Raphael Pacheco disse...

Caramba, texto muito bom...
Seu pequeno conto, se é q podemos chamá-lo assim, prende muito a atenção! E dá pra viajar legal em uma infinidades de sentidos, que nem mesmo vc, ao criá-lo, pensou que pudessem ser vistos!

Abração
http://umpacheco.blogspot.com/

Felipe Aron disse...

por que retornou?

Abraço!

http://projetoforseti.blogspot.com

Bernardo Lima disse...

Opa, blz, cara?
vim retribuir a visita que fizeres lá no Reflexões.
Então..sobre teu post:

vlw msm pelos elogios lá...
Postei a segunda parte do texto hj, seria legal se tu passasse lá pra vê-la...

Sobre teu post aqui:

mt viagem, mas pra mim pareceu algo como "imagine o que quiser e será"...
se foi realmente essa a msg subliminar do texto, eu gostei.

Quando tiver de bob passa lá no Reflexões!

Grande abraço!

CapinaremosRH@gmail.com (Zanfa) disse...

Nossa que pesadelo sufocante, eu não tenho medo do escuro, mas isso foi claustrofobicamente intenso. xD

Iaiá disse...

Isso me lembrou muito o conto da Caverna, de Platão.

Beijãoo

Rosane ! disse...

Gostaria de comentar sobre seus textos, adorei, eu ia dizer que vc escreve muito bem, mais isso já é praxe aqui... então vou te perguntar, vc é escritor profissional, jornalista, poeta ou algo parecido ?