quarta-feira, janeiro 16, 2008

* Conto, mas não conto.... Aquela quinta


**

Aquela quinta-feira pareceu ser a mais bonita em muito tempo, para Carlos, o céu estava azul e límpido, como depois de um dia de tempestade. Ivan nunca tinha sentido nada como naquele dia. Eles haviam se encontrado no antigo prédio da Universidade do Brasil, que hoje abriga o Instituto de Filosofia e Ciências Sócias. Um prédio pomposo, de quatro andares e pé direito alto, fachada de pedra, e ar aristocrático, trazido da época em que abrigava a Escola Politécnica. Contraditoriamente, o prédio olhava majestosamente para a praça em frente, cheia de mendigos, cachorros abandonados, fezes, montanhas de papel e papelão, carrocinhas com todo o tipo de tralha, um cheiro fétido insuportável. Carlos chegou primeiro e entrou no prédio para se abrigar da terrível cena do mundo que se expunha na praça. Ivan chegou ávido por Carlos, e entrou no prédio procurando-o. Viu-o sentado num banco de plástico, que balançava para um lado e para o outro, equilibrando-se sobre o próprio peso e as pernas tortas. O enorme calor no interior do pátio obrigava todos a buscar a sombra, o Sol, apesar de proporcionar um dia lindo, estava inclemente. Os rapazes resolveram ir para algum lugar onde tivesse ar condicionado. Sem falar nada, como se se comunicassem apenas por telepatia, saíram pela rua sem direção. Eles estavam em sintonia perfeita, e poderiam dizer tudo com os olhos. Um sabia o tempo todo o que o outro queria. E isso ao mesmo tempo em que os inquietava, também era motivo de felicidade. Não tinham um endereço certo, queriam estar um com o outro. O Centro Cultural Banco do Brasil seria um destino certo, não fosse a necessidade deles de não encontrar com ninguém. Ivan os levou ao Centro Cultural da Caixa Econômica Federal, que tem um lounge com poltronas brancas, e um ar condicionado potente que baixa a temperatura para algo em torno de 21º C. Um oásis próximo ao Largo da Carioca. Os rapazes se esgueiraram entre camelos, passantes, pedintes. Eles pareciam correr, tão rápido se locomoviam. Esperavam apenas por algum momento feliz, porque não existia felicidade para os dois. Quando entraram no Centro Cultural, foram diretamente para o lounge, onde havia uma exposição sobre cinema. No centro da grande área, ladeada por janelas, paredes brancas cobertas com papel que imitava uma biblioteca, e um café num dos cantos, haviam montado no seu centro uma mini-sala de cinema, com projetor, que exibia um curta, e um sofá para dois. Os rapazes andaram pelo labirinto que envolvia a micro-sala de exibição, e entraram na penumbra. Tinham vontade de se abraçar, seus corpos se chamavam, mas não se permitiram. Ficaram lá por um tempo indizível, como se fosse todo tempo do mundo, mas pode não ter durando mais do que 5 minutos. Eles se olhavam com sorriso nos olhos, sentaram-se num sofá grande, entraram novamente no cinema, dessa vez, sem graça, como se fossem cometer algum crime. Sentiam-se felizes somente com a presença um do outro, mas não disseram isso, não demonstraram nada em palavras ou gestos. Imaginavam que não precisavam, pois o outro deveria saber, e deveria sentir o que cada um sentia. De repente, logo que saíram pela terceira vez da sala de cinema, Ivan disse que tinha que ir para casa, como se algo fosse se partir, como se fosse a ultima coisa que tivesse que fazer em sua vida. Seu rosto era só contrariedade, e levantou-se num ímpeto, em direção a saída, repetindo, com a voz embargada e a cabeça abaixada, como se procurasse algo perdido no chão. “Cara, tenho que ir pra casa. Eu vou pra casa, cara. Eu tenho que ir”. Carlos tentou negociar, e consegui que fossem tomar um suco. Ele pediu goiaba, e Ivan jaca. Ele queria experimentar coisas novas! Foi somente na lanchonete, de volta ao calor, ao barulho, a confusão que eles conversaram sobre eles mesmos. Inicialmente, Ivan disse não ter tempo, e sorveu o suco rapidamente, para poder livrar-se da enxurrada de palavras que acho que viriam em forma de explosão. Mas Carlos não disse muito, apenas ressaltou que desde que eles haviam se conhecido ele não queria apenas ser amigo de Ivan. “Além disso”, falou Carlos, olhando fixamente nos olhos de Ivan, “você não pode ser indiferente a mim, como tentou ser. Eu não quero somente a tua amizade, mas não sei o que você quer de mim”. Ivan sorriu, e meneou a cabeça com quem diz não, ele não queria ouvir nada. Mas Carlos continuou. “Ou você gosta, ou você não gosta. Mas indiferença, nunca! Comigo sempre tem sido assim, e quando não, faço com que seja”. Ivan tentou se levantar, como se quisesse demonstrar o quanto não queria aquela conversa, mas Carlos segurou-lhe o braço, e continuou a cuspir-lhe as palavras, ainda que de forma delicada. “Ivan, eu não quero ser seu amigo. Não é esse tipo de relação que eu busco com você. Existem no mundo muitas pessoas ordinárias, e eu não sinto que você esteja dentre elas. Por isso, quero que você deixe o sentimento que tem ai dentro extrapolar, ou então, se vá. Prefiro mesmo que se vá. Assim eu sofro uma vez só”. Ivan então, se dirigindo assustado, para a porta da lanchonete, como se o mundo fosse acabar com a tempestade de se anunciava nas nuvens escuras e espessas que via no céu, disse: “eu tenho mesmo que ir. Além disso, vai chover muito. Por quê não podemos ser aquilo que fomos lá dentro? Por quê não podemos ser o que temos sido até agora?” Os dois saíram sob a chuva. Ivan ia à frente, estava apreensivo, mas sentia-se muito feliz. Carlos tinha se esvaziado, não conseguiu falar o que queria, nem falou como queria, sentia o peso do tempo, e toda a sua violência. Como se uma porta se fechasse sem que ele pudesse passar e tivesse ficado preso. Ouvia claramente uma voz que lhe dizia, “o mundo é assim, não é um lugar para felicidade, deixe passar, o que não pode mudar”. Mas ele não podia se conformar, queria se revoltar. Carlos deixou Ivan no seu ponto de ônibus. Ivan não pode perceber se o seu rosto estava molhado por lágrimas ou pelos pingos da chuva. Cada um seguiu seu caminho.

6 comentários:

Ivan disse...

Olá. Nem te conheço, mas acabei caindo aqui. E acabei lendo as coisas todas pq eu tb me chamo Ivan, o que achei uma baita coincidência. Eu li o primeiro capítulo da suposta novela, agora estou lendo o segundo. Primeira coisa: vc escreve mt bem! E é uma história muito bonita msm.

Mas uma coisa que eu achei muito engraçada (e acho sempre) é o foco narrativo com narrador onisciente. Às vezes, quando escrevo e quando leio coisas assim (sim, eu tb escrevo), fico pensando em como o ser humano é capaz de criar uma estrutura lingüística pra suportar e atenuar o fato de que, na verdade, ele não sabe de todas as coisas (coisas do mundo e das outras pessoas; só de si o homem sempre sabe e, mesmo assim, há controvérsias); só nos textos, o homem pode brincar de ser deus.

Outra coisa que eu sempre fico me perguntando é se o narrador é mesmo onisciente, se é possível saber de tudo sempre, mesmo nos textos. Eu, quando escrevo, tenho sempre essa sensação de que os personagens fogem ao meu controle e têm suas próprias vidas, e também seus próprios pensamentos, tão insondáveis. Uma coisa assim, meio "Mundo de Sofia", com os personagens fugindo de um destino certo proveniente das mãos do escritor/narrador/deus/onisciente e vivendo suas prórpias vidas, nas entrelinhas. A propósito, vc já leu "O Mundo de Sofia"?

Acabou que com todo essa minha "análise do foco narrativo" (hehehee), acabei nem falando de mim. Vc deve ser do Rio de Janeiro, acho (digo isso pelas menções ao prédio da UFRJ; não sei qt a vc, mas eu sempre localizo os meus escritos, mesmo os ficcionais, em lugares da minha vivência). Eu sou de Palmas, no Tocantins. E, pelo amor de deus, não me pergunte se esse lugar existe; existe sim, pombas! Vc sabia que Palmas é a cidade que mais cresce no Brasil?

Abraços!

Jan Träumer disse...

Quando escrevo me sinto um pouco um deus (com d minúsculo é claro). Mas os personagens sempre ganham vida própria, sempre fogem. O destino não nos pertence, apesar de podermos mudá-lo. Coincidência mesmo vc tb ser Ivan. Espero que vc seja mais esperto do que ele, e nunca diga: "não vou me apaixonar". Pq só as pessoas que estão abertas à paixão, estão abertas ao mundo, à vida. Ivan perdeu um grande cara. Não sei se ele vai encontrar outro assim. Talvez nem queira, nem esteja preparado, nem sabe. cho q a novela acabou, pq eles resolveram não mais se ver. Mas é apenas uma história, e o mundo é feito de muitas.
Quanto ao "Mundo de Sofia", li sim. Mas isso foi nos idos de 1996... O IFCS, estudo lá. Quanto a Palmas, sei que existe. Tenho uma grande amiga, ex-namorada, Laura, morando lá. Ah, se vc esbarrar com ela, manda um beijo!

Nana Lopes disse...

Então uma postagem bacana, para amantes de leitura.
Gosto. Bom fim de semana!

Marco Antonio disse...

Acabei caindo por aqui, devido àquela comunidade no orkut.

Foi gratificante dedicar meu tempo à leitura do seu blog.

O texto, tão bem elaborado. Sou freqüentador do CCBB e o da Caixa já fui umas 2 vezes. Isso fez com que eu me sentisse mais íntimo, como se eu fosse um espectador mais próximo, sabe?

E uma bela história, muitos já viveram histórias como essa, muitos já viveram frustrações amorosas, situações afins... Não encontro palavras pra parabenizar seu blog. Realmente estão em falta na chamada "Blogosfera" muitas qualidades que encontrei por aqui.

Espero que continue esse belo trabalho.

Everaldo Ygor disse...

Olá...
Bela foto e crônica, combinação perfeita... Caminhadas e vivencias dos dias... Dos classicos, dos Seres que respiram e fazem arte. Faces, paixões e até Amores maquiados em tamanha literatura...
Abraços
Everaldo Ygor
http://outrasandancas.blogspot.com/

mariacandrea disse...

Caramba Jan, li o comentário sobre o narrador e fiquei pensando em teorias... Teorias literárias servem para que mesmo? Bem, o interessante foi o modo como a estrutura da narrativa envolve e prende o leitor. O texto apresenta o suspense na medida certa para um conto. Além disso é instigante, extremamente romântico(sem ser piegas), moderno. Desculpe-me se estou classificando seu texto como conto, mas tem estrutura. Enfim, continue deixando seus personagens fugirem, pois a fuga é aparente, sua pele viaja com eles. Grande Beijo, poeta.